Produtos sem glúten podem conter substâncias mais perigosas

Assim como a lactose, o glúten passa por tempos difíceis. Após uma série de acusações, ele perdeu espaço nas gôndolas dos supermercados e até mesmo no cardápio de quem não tem qualquer tipo de intolerância, sensibilidade ou alergia alimentar.

De olho nessa tendência, cientistas da Universidade de Illinois, em Chicago (EUA), analisaram exames de sangue e urina de 7 471 pessoas. Entre elas, 73 só consumiam alimentos gluten-free.

O resultado foi surpreendente: os integrantes desse subgrupo apresentaram 70% mais mercúrio e quase o dobro de arsênio no organismo em comparação ao resto da turma, que se alimentava sem restrições. A exposição a essas substâncias tóxicas, vale ressaltar, tem sido associada a problemas cardiovasculares, câncer e outras doenças.

A explicação para a conclusão do estudo, publicado no periódico científico Epidemiology, estaria nos ingredientes usados para substituir as fontes de glúten — em especial a farinha de arroz. É que esse grão pode acumular partículas de metais nocivos vindas da água, do solo e de fertilizantes em geral, como indica uma pesquisa da Universidade de São Paulo.

Saúde

O poder mágico do Cloreto de Magnésio na saúde

Já ouviu falar em cloreto de magnésio. Os seus surpreendentes benefícios para a saúde já estão conhecidos há muito tempo! E os depoimentos das pessoas que tomaram este remédio são muito positivas!

Benefícios

O cloreto de magnésio produz um equilíbrio mineral natural, impulsiona os órgãos e suas funções, nomeadamente os rins, ajudando a eliminar o ácido úrico. Além disso, recupera as articulações, purifica o sangue, revitaliza o cérebro, rejuvenesce e conserva a juventude durante mais tempo.

Este remédio natural é melhor consumir dissolvido na água. A nossa sugestão é não comprar cápsulas. São bastante caras e não são tão eficientes. Qualquer boa loja de produtos naturais vende cloreto de magnésio. Um pacote de 33 gramas é relativamente barato. É importante comprar cloreto de magnésio com sigla PA. Isso significa que esse produto é «puro para análise». O PA aparece na embalagem quando é esse o tipo de cloreto de magnésio comercializado.

Esta substância não vicia o organismo, mas, se deixar de a tomar, perde a protecção, por diminuírem as reservas de magnésio. A água de cloreto de magnésio alivia as dores, cura diferentes doenças e atenua e o desgaste natural.

Dose diária

A dose recomendada é um pequeno copo de café, de tamanho variável conforme a idade.

  • De 10 a 40 anos: metade de uma dose de manhã
  • De 40 a 70 anos: uma dose de manhã
  • Mais de 71: uma dose de manhã e outra à noite

 

 

Dicasonline

Veja como eliminar a rachadura dos pés muito fácil

Calcanhares rachados são problemas comuns para a maioria das pessoas. As fissuras e rachados nos pés são geralmente causados por pele seca (xerose), e é mais comum aparecer em volta do calcanhar. Para a maioria das pessoas, especialmente mulheres, isso é um incômodo e um grande problema estético, mas quando as fissuras ou rachaduras são profundas, elas tornam-se dolorosas, em casos graves, podem até ocorrer infecções.

Aqui vão umas dicas que são muito eficientes no combate às rachaduras e pele seca nos pés.

Esfoliação nos pés

Faça esfoliação nos pés regularmente, pelo menos 1 a 2 vezes por semana. Isso ajuda a retirar as células mortas e a combater rachaduras e pele seca nos pés.

Quando sentir o calcanhar e sola de seus pés grossos, passe pedra pomes ou lixa fina nos pés úmidos. Isso ajudará a eliminar a pele morta e vai afinar os pés, além de combater o mau cheiro causado por células mortas e infecções. Passe suavemente, na hora do seu banho.

 

Hidratação nos pés

Depois de esfoliado e lixado, os pés devem ser muito bem hidratados. Se você esfoliar e lixar os pés e não hidrata-los diariamente, haverá o efeito rebote e seus pés ficarão ainda mais secos e as rachaduras piorarão.

Portanto, é importante manter os pés sempre bem hidratados, pois a sola dos pés acumula maior quantidade de células mortas e o atrito com os calçados e a falta de hidratação, se torna mais grossa, assim, é fácil acontecer rachaduras.

Algumas pessoas gostam de investir em pedicures regulares, mas isso pode rapidamente se tornar muito caro. E, muitas vezes, produtos recomendados para os pés ou são difíceis de encontrar, ou não tão práticos.

Agora você pode fazer o seu próprio produto cuidando dos seus pés sozinha (o). A melhor parte? Todos os ingredientes estão em sua casa!

Em casos de maior gravidade, o tratamento para rachaduras nos pés deverá contar com a orientação de um dermatologista, que irá indicar uma solução adequada para o problema. Mas, se não for tão grave, você pode acabar com as rachaduras nos pés, com esta receita simples e eficaz!

Você vai precisar de:

  • 1 tubo de Bepantol Pomada (30g)
  • 10 comprimidos de Aspirina (Também, pode ser Melhoral ou Ácido Acetilsalicílico-AAS)
  • 1 vidro (100ml) de Vaselina líquida

PREPARO:

  1. Amasse os comprimidos e misture com a pomada bepantol. Em seguida, acrescente a vaselina líquida aos poucos, sempre mexendo para facilitar a mistura dos ingredientes.
  2. Fica um creme leve, com textura um pouco mais líquida do que pastosa. Então, coloque em um frasco de creme vazio e guarde em temperatura ambiente.

COMO APLICAR:

  1. Antes de dormir, com os pés limpos e bem secos, aplique o creme caseiro nas áreas com rachaduras e coloque meias para potencializar o tratamento. Repita o processo todas as noites e, em uma semana você notará uma incrível melhora nas rachaduras!
  2. Cuide bem dos seus pés, afinal eles que suportam todo o peso do seu corpo e estão sujeitos a muitas agressões, sobretudo no calor.

E relaxar com os pés hidratados, quem não merece?

 

 

FONTE:https://www.arteblog.net

Como eliminar os fungos das unhas facilmente

Fungo nas unhas é algo realmente embaraçoso e difícil de sair.

Falamos isso porque muita gente passa vergonha quando expõe os pés e as mãos contaminados na rua – principalmente quando o fungo já está no nível avançado.

Além disso, a maioria dos remédios comprados em farmácias não é eficiente e ainda sem contar com os possíveis efeitos colaterais.

Se você não sabe, os fungos nas unhas ocorrem por uma infecção fúngica, provocada pelo uso de sapatos fechados  e umidade.

As unhas começam a ficar amareladas e, caso não seja tratadas imediatamente, sofrem rachaduras, causando dor.

O fungo prospera em:

- Nível alterado do pH da pele

- Sistema imunológico fraco

- Exposição constante de ambientes úmidos, como sapatos e meias

- Falta de higiene

- Diabetes

Veja as alternativas que trouxemos para tratar o problema:

1. Vinagre de maçã

Quando há uma alteração no pH da pele, torna-se mais básico do que alcalino e isso é muito bom para o crescimento dos fungos.

Se você opta por fazer um tratamento com vinagre de maçã, a melhor maneira é descansando os pés ou as mãos numa bacia com água e vinagre – na mesma proporção.

Cubra completamente os pés ou as mãos com a solução e deixe agir por 30 minutos.

Repita o procedimento pelo menos uma vez por dia, mas não mais que três vezes.

Em seguida, enxugue os pés ou as mãos com uma papel-toalha ou pano descartável, para evitar contaminações.

Caso você não tenha tempo para fazer um banho de 30 minutos nos pés, coloque algumas gotas de vinagre na unha, duas ou quatro vezes por dia.

Outra opção é, na hora de dormir, molhar um pedaço de algodão com vinagre de maçã e cobrir a unha doente com esse algodão, prendendo-o com um cordão (mas sem apertar muito).

Faça isso todos os dias, por uma semana.

2. Óleo de orégano

Misture uma colher (de sopa) de azeite em duas gotas de óleo essencial de orégano (vende-se em lojas de produtos naturais).

Em seguida, aplique na unha infectada.

Deixa agir por pelo menos 30 minutos, sem cobrir o local.

Certifique-se de que o óleo de orégano usado é original, com uma marca renomada para que a  receita tenha os resultados esperados.

Feito isso, lave os pés e enxugue com papel toalha.

Repita o procedimento uma ou duas vezes por dia, pelo menos por três semanas.

O óleo de orégano é um forte antisséptico, antibacteriano, antiparasitário, antiviral, analgésico e tem propriedades antifúngicas.

Por isso, ele é um ingrediente muito útil no combate a fungos.

Cura pela natureza

Remédios naturais para a Gastrite

Os casos de gastrite têm aumentado nas últimas décadas. Doença de fundo emocional, ela é potencializada pelo ritmo frenético dos dias atuais, que aumenta o risco da ansiedade e do estresse. Dores de estômago frequente, especialmente quando localizadas na parte superior do abdômen, podem indicar a presença de gastrite, que pode evoluir para úlceras gástricas ou duodenais.

Felizmente, alguns tratamentos e remédios naturais contribuem para amenizar a dor e o desconforto. Os indicadores da gastrite são o surgimento de dores agudas na região estomacal, que são atenuadas depois das refeições, para ressurgirem algumas horas depois.

É importante ressaltar que, mesmo quando as dores parecem inofensivas, uma gastrite não tratada pode evoluir para úlceras. Nestes casos, podem surgir hemorragias internas, que, em alguns casos, podem necessitar de tratamento cirúrgico.

O ambiente estomacal é altamente ácido. Tanto a úlcera quanto a gastrite podem ser provocadas pela bactériaHelicobacter pylori, que coloniza naturalmente o órgão abdominal. A gastrite é uma inflamação geral do estômago, que chega a provocar feridas superficiais. A úlcera forma lesões profundas nas paredes do estômago – e as duas condições provocam muita dor.

O diagnóstico é obtido a partir do histórico médico dos pacientes. Em seguida, são realizadas endoscopias digestivas, exames que consistem na introdução de um tubo flexível (através da boca), que, por meio de um chip, capta imagens internas do esôfago, estomago e duodeno (parte superior do intestino delgado).

Os remédios naturais para gastrite

A gastrite pode se manifestar de forma aguda ou crônica, inclusive com intervalos de até 20 dias sem a ocorrência de desconfortos. Alguns pacientes, no início da evolução da doença, são assintomáticos. Além da H. pylori, a doença pode ser provocada pela deficiência de vitamina B12, consumo excessivo de bebidas alcoólicas, alimentos picantes e ácidos, infecções virais ou fúngicas, doenças imunossupressoras, infestações parasitárias e estresse.

Carambola

gastrite-carambola

As sementes de carambola são úteis para reduzir a acidez estomacal. A fruta é um antiácido natural. Para fazer o chá, é necessário:

  • uma colher (chá) de sementes de carambola pulverizadas;
  • uma colher (chá) de sal preto (é um sal não refinado originário da Índia);
  • um copo (250 ml) de leite.

É possível incluir uma colher (chá) de gengibre seco (ou fresco e picado).

Coloque as sementes, o sal preto e o gengibre para ferver em um copo (250 ml) de água. Deixe reduzir até a metade. Coe a misture, inclua o leite (em temperatura ambiente) e beba meia xícara (chá) duas vezes ao dia, de manhã e à tarde. Continue consumindo até o desaparecimento dos sintomas.

Morango

Além de saborosas, estas frutas apresentam altos teores de compostos fenólicos, substâncias que exercem poder preventivo ou curativo em distúrbios inflamatórios e infecciosos, devido à ação antioxidante não enzimática (os morangos não provocam alterações na condução de energia para as células do nosso organismo).

gastrite-morango.jpg

Estudos de 2011 realizados por pesquisadores da Universidade de Oxford (Inglaterra) e de Colônia (Alemanha) concluíram que o consumo regular de morangos é capaz de reduzir os danos causados pelo excesso de bebidas alcoólicas. Para tratar a gastrite, é preciso ter à mão:

  • uma colher (sopa) de folhas secas de morango trituradas;
  • uma xícara (chá) de água.

Ferva a água, apague o fogo e adicione as folhas de morango. Deixe agir por dez minutos, coe e beba em seguida. A infusão pode ser ingerida até três vezes, até que os sintomas da gastrite desapareçam. Para prevenir a doença, comer algumas frutas é uma atitude inteligente.

Manjericão

Nativo da Ásia e da África ocidental, o manjericão também é útil para tratar gastrite. Altamente nutritivas, as folhas são muito pouco calóricas (fornecem apenas 20 calorias a cada cem gramas de consumo). O manjericão tem propriedades calmantes, antibacterianas, anti-inflamatórias e antioxidantes, é fonte de fibras solúveis, proteínas e das vitaminas A, B, C, E e K E também fornece os seguintes sais minerais: cálcio, ferro, magnésio, manganês, potássio e zinco.

gastrite-manjericao.jpg

Para tratar sintomas da gastrite, como dor de estômago, náuseas, vômitos e indigestão, mastigue folhas de manjericão várias vezes ao dia, como se fossem chicletes. A erva também elimina o mau hálito. Outra opção é preparar o seguinte chá:

  • uma colher (sopa) de folhas de manjericão trituradas;
  • uma colher (sopa) de gengibre fresco picado;
  • uma xícara (chá) de água.

Ferva a água, apague o fogo e mergulhe os demais ingredientes. Tampe a infusão e deixe agir por dez minutos. Coe a mistura, adicione uma colher (sopa) de mel e tome três vezes ao dia. O período de consumo não pode ultrapassar três semanas.

Funcho

Trata-se da planta medicinal que produz as sementes conhecidas como erva-doce, facilmente encontrada em feiras livres, mercados e casas de ervas. Tradicionalmente utilizado para tratar bronquites, o funcho também combate verminoses, cólicas menstruais, vômitos e náuseas, problemas urinários (inclusive infecções), dores nos olhos e diarreia.

gastrite-fucho.png

O funcho regulariza as funções gastrointestinais, organizando o trato digestivo e reduzindo os sintomas da gastrite. O preparo do chá é simples: basta colocar uma colher (chá) de sementes em uma xícara (chá) de água fervente, deixar amornar, coar e beber (até cinco vezes ao dia). Se preferir, adoce com uma colher de mel.

A erva pode provocar algumas reações alérgicas leves e está contraindicada para grávidas e lactantes, crianças com menos de cinco anos e portadores de distúrbios da tireoide. Por outro lado, mastigar as sementes imediatamente depois das refeições impede o surgimento dos sintomas da gastrite.

Gengibre

As raízes do gengibre são conhecidas por suas propriedades anti-inflamatórias, calmantes e antibacterianas. Elas ajudam a reduzir as infecções e atenuar os processos inflamatórios. Também são úteis para reduzir a flatulência, indigestão, náuseas e inchaço abdominal.

gastrite-gengibre.jpg

Os ingredientes são os seguintes:

  • uma colher (chá) de gengibre picado;
  • uma colher (chá) de mel;
  • uma xícara de água.

Ferva a água, desligue o fogo e acrescente o gengibre (não deixe a raiz ferver, para manter a integridade dos nutrientes). Cubra a mistura durante dez minutos. Em seguida, coe, acrescente o mel e tome três vezes por dia, durante uma semana.

Hortelã

A hortelã-pimenta é outra planta conhecida pelas propriedades medicinais. A erva é útil para tratar gastrite naturalmente em função das propriedades antiespasmódicas, antieméticas, antibacterianas e anti-inflamatórias.

gastrite-hortela.jpg

O excesso deve ser evitado, uma vez que a hortelã-pimenta pode causar ou potencializar alergias, causando coceira, ardor e vermelhidão. O consumo exagerado da erva também pode provocar resultados inversos aos esperados no tratamento da gastrite, com a irritação da mucosa estomacal, náuseas e vômitos, azia, inchaço abdominal e indigestão.

Sob a forma de cápsulas ou óleo essencial, o consumo deve ser evitado por mulheres que querem engravidar, gestantes e lactantes, pois os princípios ativos podem ser transmitidos para o leite materno, prejudicando a amamentação. Óleos e tinturas de hortelã-pimenta são contraindicados para bebês e crianças com menos de cinco anos.

Utilize este vegetal também para cuidar de dores musculares, dores de estômago, síndrome do cólon irritável e enjoos matutinos da gravidez. Apesar de muito divulgado, não há provas sobre a capacidade de redução de peso com a ingestão deste chá ou com o uso de inalações.

A hortelã-pimenta pode ser utilizada em chás (15 gramas de folhas para uma xícara de chá de água), em sopas, saladas e sucos. O consumo do chá deve ser limitado a três xícaras ao dia, nos intervalos entre as refeições. Os comprimidos revestidos são bons auxiliares para amenizar a azia e os enjoos.

Camomila

Parte dos óleos essenciais da camomila é benéfica para o sistema digestório: estes nutrientes aliviam as paredes do estômago e duodeno e auxiliam na expulsão de gases. A erva também contribuir para reduzir os processos inflamatórios destes órgãos e diminui o risco do desenvolvimento de úlceras.

gastrite-camomila.jpg

Para o preparo do chá, é necessário:

  • duas colheres (sopa) de flores de camomila;
  • uma xícara (chá) de água quente.

Mergulhe a camomila na água quente, cubra e deixe a infusão agir por dez minutos. Coe e beba em seguida. Se preferir, adicione uma colher (sopa) de mel. O chá pode ser ingerido diversas vezes durante o dia, mas o consumo precisa se limitar a uma semana apenas.

Lembre-se:

• medicamentos à base de ácido acetilsalicílico, utilizados como analgésicos, danificam a mucosa gástrica e as paredes do estômago. A ingestão deve ser orientada por um médico;

• o consumo exagerado de álcool é uma das principais causas da gastrite aguda. Além disto, a ingestão de café, de alguns chás (como preto e mate) e de sucos cítricos em jejum aumentam os riscos de desenvolver a doença;

• alimentos muito condimentados também provocam gastrite. Evite exagerar na pimenta, alho, páprica, açafrão e temperos prontos. Os embutidos (salsichas, linguiças, salame, presunto, mortadela, etc.) também devem ser consumidos com muita moderação;

• inclua nas refeições (ou aumente o consumo) de mel, azeite, cheiro verde, aveia, banana, iogurte, sal negro, psyllium, sementes secas de mamão, canela, erva-doce e cardamomo verde, cenoura e água de coco.