Chá de Caferana

Chá de Caferana

Família: Gencianáceas

Outros nomes: Jacaré-aru, jacaruaru, quássia do pará.

Uso medicinal: É uma planta empregada no norte do País para combater as febres, inclusive as intermitentes.

Parte usada: Toda a planta.

Dose: Normal

Chá de Beldroega

Beldroega-1

Família: Portulacáceas.

Outro nome: Portulaca.

Uso medicinal: É uma boa planta para salada e ensopados.

A beldroega é um remédio eficaz nas afecções do fígado, bexiga e rins.

Dá bom resultado para escorbuto.

O cozimento desse vegetal é diurético e aumenta a secreção do leite.

O suco cura inflamações dos olhos.

As sementes combatem os vermes intestinais.

Os talos e folhas machucados, aplicados sobre queimaduras, aliviam a dor. Aplicados sobre feridas, facilitam a cicatrização.

Parte usada: Folhas com talos e sementes.

Dose: Suco, uma colher de sopa de hora em hora. Chá, 50 a 100 gramas para 1 litros de água; 4 a 5 xícaras por dia.

Chá de Begônia

begonia

Família: Begoniáceas

Outro nome: Coração de estudante.

Uso Medicinal: Usa-se o chá da planta para afecções das vias urinárias (cistite, uretrite, etc.).

Parte usada: Toda a planta.

Dose: Normal.

Chá de Artemísia

artemisia

 

Família: Compostas

Outros nomes: Artemigem

Uso medicinal: A artemísia tem muitas aplicações na medicina doméstica.

Emprega-se para: anemia, cólicas, coréia (dança de são guido), debilidade do estômago, diarréia, enterite, epilepsia, flatulências, gastrite, hidropisia, icterícia, lombrigas, menstruação deficiente, mucosilidades, nervosismo, nevralgia, reumatismo.

Em casos de dores reumáticas, fazem-se fricções com o sumo dessa erva, sobre as partes doloridas. Podem para os mesmos fins, aplicar-se também compressas  quentes ou cataplasmas com o cozimento de artemísia.

Não é recomendada para mulheres que estão amamentando.

Parte usada: Folhas, flores e raízes.

Dose: 15 gramas em 1 litro de água. Duas a quatro xícaras de chá por dia.

Chá de Arnica

chá de arnica

Chá de Arnica

Uso medicinal: O Brasil importa grandes quantidades de arnica para emprego farmacêutico. Seus princípios ativos básicos são a essência, a resina, os corantes e os ácidos glaxos. O principio amargo e acre, encontrado mais abundantemente nas flores é a arnicina. A essência, contudo, é mais concentrada nos rizomas. A arnica contém ainda inulina, taninos, glicose, cera, colina, princípios carotenoides, arnidiol, faradiol e heterósidos flavonólicos.

A arnica é tradicionalmente usada em casos de traumatismos, golpes, contusões e hematomas.. Recomenda-se a aplicação externa de tintura de arnica, ou o infuso dos rizomas e das flores a 10%.

Internamente, o uso da arnica é restrito, pois pode provocar intoxicações se usada em quantidades acima da recomendada. Indica-se internamente, para estimular os batimentos cardíacos e a circulação. Mas a dose não deve ultrapassar 1% em 200ml de água por dia (flores e rizomas). Afirma-se que Goethe, famoso poeta alemão, utilizava arnica internamente, em gotas, para fortalecer o coração.

 

Chá de Aperta Ruão

Aperta Ruão

Família: Piperáceas.

Outros nomes: Tapa buraco, jaborandi falso, pimenta do fruto ganchoso.

Uso Medicinal: O aperta ruão é adstringente. Os frutos são diuréticos e resolutivos.

Em banhos usam-se as sementes no tratamento das feridas.

As folhas, em banhos demorados, têm sido usadas nos casos de queda do útero.

Com as folhas prepara-se um chá, acrescentando-se uma colherzinha de pó das mesmas folhas.

Dose: Normal.

O mesmo chá é também indicado contra diarréias. Nos casos mais rebeldes, fazem-se lavagens intestinais com o chá, acrescentando-se uma colherzinha de pó das mesmas folhas.

Também nas moléstias do fígado e na blenorragia esta chá presta bom serviço.

Em casos de mau hálito, mastigam-se folhas, cascas ou raízes para perfumar a boca.

Benefício do Chá de Anis (Erva Doce) para a saúde

anis

Anis ou Erva Doce

Família: Umbelíferas

Outro nome: Erva Doce

Uso medicinal: Combate os gases do estômago e intestinos e as cólicas do ventre. Favorece a ação digestiva.

Aumenta o leite das lactantes.

O azeite das sementes, com que se fricciona a cabeça, é bom para matar piolhos.

Com o azeite fricciona-se o ventre para acalmar as cólicas.

O anis também tem um bom resultado nas diarréias, especialmente das crianças.

Parte usada: sementes, por infusão.

Dose: 10 a 15 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.

Chá de Anil

anil

 

Família: Leguminosas

Outros nomes: Caá-chica, timbó-mirim.

Uso Medicinal: Diz-se que esta planta serve como antídoto do mercúrio e do arsênico.

O chá, que se obtém por intusão das folhas e raízes, é antiespasmótico, diurético, estomáquico, febrífugo, purgativo, sedativo.

O mesmo chá emprega-se com bons efeitos contra a epilepsia e a icterícia.

As folhas machucadas empregam-se topicamente contra a sarna.

As raízes e as sementes, secas, pulverizadas, usam-se para afugentar insetos.

Parte usada: Folhas, raízes, sementes.

Dose: 5 gramas para um litro de água; uma ou duas xícaras por dia.

Chá de Angelicó

angelico

 

Família: Aristoloquiáceas

Outros Nomes: Jarrinhas, mil homens, papo de peru, mata porcos, caçaú, cipo mata cobras.

Uso Medicinal: É anti-séptico, diaforético, estomacal, esurino, sedativo (nos casos de histeria, convulções, epilepsia e cistite).

Anorexia – É empregado com êxito contra a falta de apetite.

Amenorréia – Usa-se no tratamento de falta de menstruação, para provocar o aparecimento das regras.

Clorose (tipo de anemia da mulher) – É aplicado com êxito surpreendente em casos de clorose.

Dispepsia – (má digestão, embaraços no estômago) – Aplica-se com magníficos resultados contra os males do estômago em geral, prisão de ventre, gastralgia (dor no estômago), indigestão, etc.

Impaludismo – Usa-se para combater febres intermitentes.

Orquite – Externamente, em banhos de assento, emprega-se com bons resultados, para desinflamar os testículos, em casos de orquite.

Acreditou-se sempre e continua-se acreditando em todo interior, que o extrato etéreo, como as alcoolaturas e os próprios decoctos das raízes e do caula destas plantas são antiofídicos … admitimos a possibilidade de que o extrato fresco e ainda vivo, de raízes e caules destas plantas, poderá realizar curas, como antiofídico…

Em doses excessivas as aristolóquias são tóxicas. Mulheres gravidas não devem usar.

Chá de Angélica

angelica

 

Família: Umbelíferas.

Outros nomes: Arcangélica, raiz do espirito santo, angelica do jardim, angelica da bohemia.

Uso Medicinal: É estimulante, carminativa, depurativa, diurética, estomacal, emenagoga.

Usa-se para: bronquite, cãibras, cefalalgia, clorose, convulsões, cólicas, debilidade e dilatação do estômago, digestões difíceis, efermidades do peito e da garganta, dos pulmões, fígado, rins e bexiga, escorbuto, gota, hipo-histerismo, paludismo, reumatismo, rouquidão, tétano, tifo, ventosidades, vômitos.

O chá das raizes de angélica, em mistura com chá de losna, é muito bom para cãibras do baixo-ventre, disenterias e mucosidades pulmonares.

Nas afecções da pele, dores dorsais, reumatismo, emprega-se também o chá de angélica, topicamente, em forma de loções, fricções e compressas.

Parte usada: Toda a planta.

Dose: Normal.